sábado, 26 de setembro de 2009

Sobre o início...

A moça queria só brincar, o moço também...
A moça ria e implicava com ele...
O moço ria e implicava com ela...

A moça... difícil
O moço... egoísta

A moça pensava: " sem chance, nunquinha"
O moço ria e pensava " você que pensa!"

Ele adorava todas as caras e bocas que ela fazia e odiava o jeito como ela cantava
Ela achava ele bobo, muito bobo!

Ela o comovia
Ele dóia nela...

E eles cresceram, de um jeito completamente insuspeitado, sem ao menos saber pra onde, nem onde vão chegar. Como diria Caio eles esperavam apenas uma planta pequena, rala, "uma avenca, talvez samambaia, no máximo uma roseira". Algo assim... êfemero e breve!


Mas... deu tudo errado!

**

7 comentários:

wcastanheira disse...

Brincadeiras de amor, doces brincadeiras, mas q em silêncio cobram ao coração, aprofundam-se e as vezes deixamos passar nossa chance, neste vai e vém, chega algum mais objetivo, mais direto e rouba-nos a grande chance de...ser o (a) dono(a) daquele coração, bjos, bjos, bjoss

sueli aduan disse...

Belo,muito belo,Srta.Laís.
..Ela o comovia
Ele dóia nela

(o poema todo)


"brinca lá c/ a gente no TEMPUS (é só continuar a história)

Alessandro disse...

Srta. Laís o moço e a moça normalmente querem o mesmo, só que de maneiras diferentes. :)

AP
http://seekinthecause.blogspot.com/

C. Liilian disse...

Concordo com o Alessandro, os dois qrem o msm. Pra mim, representaram ser um casal mesquinho que se ama e nao se assume.

AUGUSTO TAVARES disse...

Ainda bem... detesto Final feliz, ainda mais no meio de gente tão infeliz. Não falo de você, se bem que não a conheço... será?

Fernando disse...

Olá Lais
se deu tudo errado o final pode ter sido o melhor possivel rs rs rs rs
bjssssssssss
gde abrssssssss
fernu...7

pianistaboxeador21 disse...

os finais, sempre a nos surpreender.